Tinha de sobrar pros games né?

Ao ser questionado sobre os assassinatos em uma escola de Suzano (SP), o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou à imprensa que “os jovens estão muito viciados em videogames violentos”, dando a entender que jogos de realidade virtual poderiam ter estimulado os ataques. Notícia de hoje no jornal Correio Braziliense.

“Estou muito triste com essa situação. Temos que entender o porquê de isso estar acontecendo. Essas coisas não aconteciam no Brasil. Na minha opinião (…) vemos essa garotada viciada em videogames (…) videogames violentos. Tenho netos e os vejo muitas vezes mergulhados nisso aí. Quando eu era criança, jogava bola, soltava pipa. A gente não vê mais essas coisas. Lamento profundamente tudo o que ocorreu”, disse o vice ao chegar para trabalhar no Palácio do Planalto.

Bolsonaro Ensina Criança a Fazer Arma com a Mão

Durante a campanha, o Globo publicou um vídeo do pré-candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, gravado em Goiânia, que mostra o aspirante ao Palácio do Planalto ensinando uma criança a fazer o gesto de uma arma com as mãos. O vídeo e as imagens geraram polêmica nas redes sociais. Em cima de um carro de som, enquanto discursava a simpatizantes, Bolsonaro segura no colo uma menina e a auxilia, com um largo sorriso no rosto, a usar os dedos polegar e indicador para simular que segurava uma arma em suas mãos. Em seguida, ele também faz o gesto.

Ligação Entre Games e Violência. Depoimento.

“Cresci num bairro violento e extremamente pobre. Nessa época, não raro tive vários “convites” para ser mais um soldado do crime. A maioria dos colegas da época, foram mortos ou foram presos.

Joguei muito fliperama com jogos como Mortal Kombat (histórico game “violento”), Contra III, Robocop, Exterminador do Futuro e muitos outros com temática mais bélica ou de lutas corporais digitais.

Nenhum desses fatores, desenvolveu qualquer comportamento violento de minha parte. NENHUM! Eu sempre tive uma escolha. E eu escolhi não ser assim. Separei as coisas e percebi que somente EU, poderia mudar a minha situação. O que realmente conta então é o caráter de cada um! Isso você não aprende na escola, em casa, no computador ou no videogame. Jogar a culpa nos videogames, é escancarar a inepta do poder público em garantir a segurança do cidadão de bem”, comentou no meu LinkedIn William Bezerra, analista de negócio.

Ligação Entre Games e Violência. Minha Observação.

A minha observação se a geração que jogava bola não gerou um bando de Pelé, por que a geração do videogame vai gerar um monte de assassinos?

“Se essa idéia de causa e efeito fosse simples e direta como declara o Vice, então bastava o Governo incentivar jogos como SimCity, Harvest Moon, Dr. Mario, F1, Fifa para termos um batalhão de planejadores urbanos, agricultores qualificados, médicos, Ayrtons Sennas e Pelés!”, acrescenta Eduardo Sato, profissional de novos negócios que trabalha com games e periféricos há mais de 20 anos.

Ligação Entre Games e Violência. Pesquisas e Literatura.

Pesquisa da Universidade de Oxford constatou que não há correlação entre comportamento agressivo em jovens e contato com games violentos. O experimento reuniu 1004 adolescentes entre 14 e 15 anos, e a mesma quantidade de pais ou responsáveis – totalizando 2008 participantes.

O profissional de marketing e gamer Athos Martins observa que levando em consideração os 3 maiores conflitos armados do planeta, podemos dizer que até a decada de 80 era impossível ter gamers para matar pessoas, até pelo fato de não existirem games durante a primeira guerra ou em 1945 (a não ser que o cara ficasse muito irado por perder no xadrez).

No Vietnam existiam games primários, mas não eram alusivos a violência, então… não podemos dizer que as pessoas matariam por jogar space invaders.

Marcelo, professor do MBA SEDA Executive Education, lembra que nos idos de 1950 a TV era apontada como a causadora de vícios e de desestabilizar psicologicamente os jovens, principalmente com apresentações de um tal de rock and roll.

Autor do livro Videogame e Violência, o gaúcho professor universitário e doutor em ciências criminais Salah Khaled, comprovou que uma coisa não se relaciona com a outra. Ou seja, não há nenhuma evidência concreta de que jogos eletrônicos provocam violência.

A professora baiana Lynn Alves pesquisou por 8 anos a relação entre os temas e concluiu que “a interação com os jogos eletrônicos não produz comportamentos violentos nos jovens”. O resultado está no livro Game Over: Jogos Eletrônicos e Violência.

Os fatos estão aí. Agora você decide quem apoiar 😉

Por Fernanda Domingues

Sobre nós

Somos uma agência de comunicação diferente, que há 21 anos se dedica a um único mercado: games. Promovemos a interação das empresas com o público geek e gamer brasileiro. Oferecemos  suporte a corporações dos mais diversos setores que desejam conectar suas marcas com os fãs de games, torcedores de eSports, influenciadores e jornalistas.

Acompanhe nossas redes sociais: Facebook | Twitter | LinkedIn


Nostalgia e Campeonatos Marcam o Museu do Videogame Itinerante no Shopping ABC

| Blog, Games | No Comments

Desde 2011, mais de 450 mil pessoas já passaram pelo Museu do Videogame Itinerante. Agora, ele chega ao Shopping ABC, em Santo André, no ABC paulista. Até 31 de março,…

Flamengo eSports Vence INTZ na Disputa do CBLoL 2019

| Blog, eSports | No Comments

Os intrépidos da INTZ e-Sports Club sentiram a força sobre-humana do Super Saiyajin Goku, mid laner do Flamengo eSports. Na partida deste domingo, o meio Bruno “Goku” Miyaguchi foi eleito…

cs:go major esl

Veja por que o CS:GO Major 2019 Teve Cobertura Recorde

| Blog, eSports | No Comments

Uma divulgação planejada tem se mostrado cada vez mais eficaz para o crescimento e a consolidação do eSport global. Fazer assessoria de imprensa hoje não é mais só enviar um…

A Relação dos Games com os Assassinatos de Suzano

| Blog, Games | No Comments

Tinha de sobrar pros games né? Ao ser questionado sobre os assassinatos em uma escola de Suzano (SP), o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou à imprensa que “os jovens…